Hoje falamos de implantes. Hoje e em muitos dias de facto porque cada vez mais as patologias para as quais a sua utilização é indicada aumentam com o bónus de excelentes resultados imediatamente pós aplicação.

Os GBI não são recentes já existem e são um recurso terapêutico há décadas (durkesveterinaryclinic.com). Usados inicialmente com o princípio de obtenção de uma “acupunctura permanente”, o conceito tem evoluído de acordo com os estudos publicados mais recentemente.

Atualmente o seu uso estende-se desde o tratamento de patologias ortopédicas (artrites, artroses), patologias auto-imunes (estomatite linfoplasmocitária, lupus), epilepsia idiopática, atopia.

O DIAGNÓSTICO INTEGRATIVO é essencial para que se possa obter a melhoria dos sintomas nos locais onde elas aparecem e em simultâneo tratar a origem dos mesmos. Ou seja, tratar o sintoma é tão importante como tratar a sua causa para que se impeça a manifestação dos problemas em outros locais do organismo.

Como explicado de forma breve no post anterior o DIAGNOSTICO INTEGRATIVO avalia todos os sintomas, análises efectuadas, historial médico também de acordo com o seu significado energético. Dessa forma obtêm-se um quadro maior da forma como a doença ou o sintoma evolui e qual a forma mais eficaz de o tratar.

Depois de obtido o resultado dessa avaliação os locais a implantar são decididos. Muitas vezes são locais onde a lesão ocorre (em particular em patologias auto-imunes) e também em locais que em termos energéticos controlam a origem do desequilíbrio energético.

Os GBI são seguros, não migram do local de implantação, não são tóxicos pois apenas reagem localmente e são vitalícios. O ouro utilizado é estéril, bem como todo o procedimento efectuado. A presença de GBI no organismo não impede nenhum exame complementar que o paciente possa necessitar,ou seja, raio-x, Tomografia Axial Computorizada (TAC) e Ressonância Magnética (MRI) são possíveis de realizar sem nenhum risco para o paciente ou artefacto nos referidos exames.

É importante referir que para que os GBI tenham efeito os mesmos devem ser aplicados por um Médico Veterinário experiente e com formação na área das medicinas complementares e alternativas para que possa efectuar correctamente o diagnóstico e decidir de forma eficaz quais os locais a implantar.

Cá está a nossa Larita que seguimos desde pequenina foi diagnosticada como Atópica e depois de ter feito os testes Alérgicos e tratamento com imunoterapia (vial) melhorou posteriormente com o recurso à AUTOHEMOTERAPIA. Desde que começou a manifestar os sintomas ortopédicos que está pior em termos da Atopia manifestando não só prurido mas também lesões cutâneas, muitas delas na proximidade da articulação coxo-femoral onde tem a artrose.

O ficheiro em anexo explica todo o procedimento desde o diagnóstico ao tratamento 🙂

Espero que possa servir para ajudar outros pacientes como a Lara e que possam ajudar-me a divulgar esta técnica muito utilizada no estrangeiro onde até pessoas estão implantadas com muito sucesso para variados problemas (cerca de 60.000 pessoas na Europa).

Obrigada por nos ajudarem a ajudar!

Someia

20151110_103525

Clique em “LARA”!

LARA